Capelas

Capela de Nossa Senhora de Lourdes – Abrunheiro Grande

Nossa Senhora de Lourdes1Freguesia da Fundada

 

Quase no fim do século passado, sob a viva impressão das recentes Aparições de Lourdes, construiu-se no Abrunheiro Grande uma Capela dedicada a Nossa Senhora de Lourdes. Lançou a ideia e animou a sua realização o P.e Sebastião Aparício da Silva, grande missionário do Extremo Oriente, que ali nascera e então ali se encontrava por ocasião de uma viagem à metrópole.
 
Lançou-se a Primeira Pedra a 17 de Outubro de 1893. Dirigiu os trabalhos o mestre de obras José Ladeiras e fez o altar o entalhador Francisco José Teixeira, respectivamente filhos dos que haviam feito idênticos trabalhos na igreja da Fundada. É Capela bastante grande, embora sem notável valor artístico.
 
Celebram-se ali, anualmente, as festas de S. Marcos, que lá tem também uma Imagem, e de Nossa Senhora de Lourdes, que é Titular daquele santuário mariano (Félix, 1968:326).
 

Capela de S. João Baptista – Vilar do Ruivo

SÃo Joao BaptistaFreguesia da Fundada
 
Começou por ser um pequeno oratório mandado construir, no século XVIII, no Vilar do Ruivo, pelo P.e João Nunes Leitão natural daquele lugar.
 
Dedicado a S. João Baptista, foi, mais tarde, ampliado pela gente da povoação. Tem sido reparado várias vezes, mas ficou sempre capela pequena e de aspecto muito modesto (Félix, 1968:326).
 

Capela de N. S.ª do Rosário - Cabeça do Poço

Nossa senhora do RosarioFreguesia da Fundada

 

 

Capela do Bom Jesus dos Milagres - Ribeira

Bom Jesus dos Milagres 1Freguesia da Fundada

 

Capela de Nossa Senhora da Guia

Nossa Senhora da Guia 4Freguesia de Vila de Rei
 

 

Talvez por não satisfazerem já a certas aspirações bairristas as tradicionais romarias de Nossa Senhora do Pranto e de S. Sebastião, decidiu um grupo de vilarregenses promover a celebração anual de uma festa mariana que atraísse a Vila de Rei toda a gente da região e muitos forasteiros de outras terras.
 (…)
 
Como, porém, esta Capela era pequena e ameaçava ruína, resolveram demoli-la e construir nova Capela mais ampla e dedicá-la à Senhora da Guia, ficando ali um dos altares reservado a Santo António. Os trabalhos só começaram em 1897. O douramento dos altares terminou dez anos mais tarde. Mas a Capela considerou-se pronta em 1902. A 5 de Setembro de 1903, procedeu à sua bênção o Ven.º Bispo da Diocese, D. Gaudêncio José Pereira, inaugurando-a, seguidamente, com a celebração da Santa Missa e a administração da Confirmação a grande número de fiéis.
 
(…)
 
Tem três altares esta ampla Capela: o altar-mor, dedicado a Nossa Senhora da Guia; o altar lateral da esquerda, consagrado a Santo António; o outro altar lateral veio a ser o da Rainha Santa Isabel (Félix, 1968:317-318).
 

Capela da Quinta das Laranjeiras

quinta das laranjeiras 2Freguesia de Vila de Rei

 

Capela da Zaboeira

capela zaboeira 1Freguesia de Vila de Rei

 

Capela de Nossa Senhora da Graça – Milreu

Freguesia de Vila de Rei
 

 

A devoção a Nossa Senhora sob o título de «Senhora da Graça» – «Mater divinae gratiae» – ascende, em Portugal, pelo menos aos meados do século XIV. Resultante, ao que parece, de um facto extraordinário, não tardou a chegar também à freguesia de Vila de Rei. E a devoção à Senhora da Graça intensificou-se de tal maneira que houve até quem tentasse que a Mãe Celeste passasse a ser, com este título, a Padroeira da freguesia. Foi mais eficaz a ideia de erguer e dedicar uma noca Capela a Nossa Senhora da Graça; e coube essa graça à povoação do Milreu – a maior povoação da freguesia de Vila de Rei (Félix, 1968:313-314).

 

Capela de Nossa Senhora da Saúde - Lavadouro

nossa senhora da saude 2Freguesia de Vila de Rei

 

Capela da Nossa Senhora das Dores

nossa senhora das dores 2Freguesia de Vila de Rei

 

Construiu-se esta Capela, a cerca de 12 quilómetros de Vila de Rei, junto do casal da Borda da Ribeira da Louriceira, a expensas e para utilidade das povoações mais próximas, de uma e outra margem da ribeira. Começaram os trabalhos no tempo do Pároco P.e Francisco Correia Ventura; e veio a ser benzida e inaugurada, no último Domingo de Outubro de 1921, pelo P.e José Martins Rolo, pregando na Festa o P.e Pedro Lourenço Viana, Pároco e Arcipreste de Vila de Rei.

 
Em 1956 ampliou-se esta Capela, alongando-o mais 205 m e fazendo-lhe um coro. Em 1964, melhorou-se ainda mais, substituindo o primitivo altar de madeira por outro de cantaria (de Tomar), alteando-lhe as paredes e cobrindo-a com um novo telhado Marselha (Félix, 1968:320).
 

Capela de Nossa Senhora de Fátima – Melriça

nossa senhora de fatima 1Freguesia de Vila de Rei
 
Após a Ordenação do Rev. P.e João Gaspar e Silva, em 27 de Julho de 1924, tomou seu pai, António Gaspar e Silva, a iniciativa da construção de uma capela na sua terra natal, a pequena povoação da Melriça, situada numa das pregas da Serra do mesmo nome a cerca de 5 quilómetros de Vila de Rei. O pequeno santuário considerou-se pronto em 1927, vindo a ser benzido e inaugurado, em Dezembro desse ano, pelo então Pároco e Arcipreste de Vila de Rei, Rev. P.e Rafael Jacinto.
 
Servindo poucas vezes depois de 1936, dentro em pouco se deteriorou toda a madeira do soalho, do tecto e do altar. Foi restaurada em 1961: altar e pavimento em cimento e novo telhado com telha marselha e vigamento de eucalipto (Félix, 1968:320).
 

Capela de Nossa Senhora de Fátima –Seada

nossa senhora de fatima 1Freguesia de Vila de Rei

 

Capela de Nossa Senhora do Pranto

Nossa Senhora do Pranto 1Freguesia de Vila de Rei

 

A Oriente e a cerca de meio quilómetro de Vila de Rei e mais perto ainda do Vale de Grou, banqueja a Capela de Nossa Senhora do Pranto no cume de uma graciosa colina revestida de pinheiros vulgares e coroada de pinheiros mansos – as famosas pinheiras de Nossa Senhora do Pranto. Harmonizam-se admiravelmente o local e a titular da Capela, porque um e outra nos lembram o Calvário…

Segundo uma antiga tradição, aquelas pinheiras teriam sido semeadas por dois religiosos que ali viveram. Mas é provável que devam a existência ao famoso farmacêutico Francisco José de Moura, conceituado vilarregense do século passado, a quem se devem os «bancos murados» que contornam o adro da Capela.
 
O pequeno santuário é muito antigo e foi já ampliado e muitas vezes reparado.
 
(…)
 
Julgamos que a devoção à Senhora do Pranto no nossa freguesia se deve, pelo menos em boa parte, ao culto prestado à Santíssima Virgem Maria, que, sob a mesma invocação, é titular da igreja e Padroeira da freguesia de Dornes, vizinha terra histórica outrora muito relacionada com Vila de Rei.
 
Como lá, também entre nós o dia tradicional da Festa de Nossa Senhora do Pranto é o dia 15 de Agosto.
 
Até princípios deste século, as festas de S. Sebastião e de Nossa Senhora do Pranto eram as festas mais solenes anualmente celebradas em Vila de Rei. Presentemente estão muito simplificadas devido talvez ao espavento com que começou a celebrar-se, em 1903, a nova festa de Nossa Senhora da Guia (Félix, 1968:315-316).
 

Capela de São José - Boafarinha

Boafarinha 1Freguesia de Vila de Rei

 

Capela de S. Marcos – Ribeiros

Ribeiros1Freguesia de Vila de Rei
 

 

Na zona oriental da freguesia, na aldeia dos Ribeiros, em 1962 foi inaugurada a Capela de S. Marcos. Ficou a cerca de meio quilómetro da povoação dos Ribeiros, numa colina revestida de pinhais. Como, apesar das reparações que, decerto, se fizeram por vezes através dos séculos, a Capela se encontrava ultimamente em mau estado, e, por outro lado, não era agradável a viagem a fazer para chegar àquele santuário, resolveram fazer, e fizeram, realmente, uma nova Capela de S. Marcos dentro da povoação dos Ribeiros.
 
(…)
 
A 29 de Julho de 1962, benzeu-a e inaugurou-a solenemente o Exmo. e Reverendíssimo Senhor D. Agostinho Lopes de Moura, Ven.º Bispo da nossa Diocese (Félix, 1968:314-315).

 

 

Capela de S. Sebastião – Vale da Urra

Sao Sebastiao 1Freguesia de Vila de Rei

 

Até meados do século corrente não houve, na freguesia do Peso, nenhum santuário além da igreja paroquial. Construiu-se então uma capela pequenina no Vale da Urra Fundeiro, povoação que só em 1924 passara, com mais três povoações vizinhas, da freguesia de Vila de Rei para a de S. João do Peso. A ideia desta Capela foi de D. Mateus de Oliveira Xavier, Patriarca das Índias, e de seu irmão, Monsenhor Sebastião de Oliveira Xavier, que deixou a importância bastante para construir a capelinha dedicada a S. Sebastião. Desejou-se, assim, assinalar a terra da naturalidade da «Família Xavier» (Félix, 1968:328).

 

Capela de Santo António - Cabecinha

Cabecinha 2Freguesia de Vila de Rei

 

Capela de S. Martinho

Freguesia de Vila de Rei

 

Devido talvez à influência dos bispos franceses que pastorearam as nossas dioceses nos primeiros tempos da nacionalidade, floresceu sempre em Portugal a devoção a S. Martinho. Vila de Rei, centro do país, tinha de marcar também a devoção ao Santo Bispo de Tours. Daí a ideia da Capela de S. Martinho. É bastante antiga. Atribui-se a sua fundação a uma senhora do Vilar, nos fins do século XVII ou princípios do seguinte. Está situada junto do Vilar a três ou quatro quilómetros de Vila de Rei. (…)

 
Não tem grande valor artístico; mas é das maiores da freguesia, servindo a população de cerca de duas dezenas de povoações (Félix, 1968:312).
 

Capela do «Menino Deus» - Trutas

 
Menino Jesus Trutas 2Freguesia de Vila de Rei

 

Também na zona oeste da freguesia, mas mais perto do rio Zêzere, existe a pequenina «Capela do Menino Deus» no meio do casal das Trutas, uma das maiores e mais antigas povoações do termo de Vila de Rei. Deve ser dos mais velhinhos santuários da freguesia. Continuando a ser pequena, tem, no entanto, sido reparada várias vezes (Félix, 1968:312-313).
 

Capela do Aivado

Aivado 1Freguesia de Vila de Rei

 

 Capela do Cristo Rei – Relva

Cristo Rei 3Freguesia de Vila de Rei

 

 
A cerca de dois quilómetros da Melriça e já no fundo da Serra, está situada a povoação da Relva, onde, por volta de 1930, surgiu a ideia de construção de uma Capela. Os trabalhos começaram em 1932 e continuaram nos anos seguintes. A cerimónia de inauguração realizou-se a 28 de Julho de 1936, presidindo ao acto da Bênção, em nome do Prelado Diocesano, Mons. Sebastião de Oliveira Xavier (…).
 
É capela de pequenas dimensões. Embora de aspecto agradável, não é decerto, monumento muito artístico (Félix, 1968:321).

 

Capela dos Borreiros

Borreiros 1Freguesia de Vila de Rei

 

Capela dos Estevais

estevais 6Freguesia de Vila de Rei

 

Capela Lagoa e Monte Novo


Capela lagoa3
Freguesia da Fundada

Esta página requer cookies para o seu bom funcionamento. Para mais informações consulte a politica de privacidade. Politica de privacidade .

Aceitar utilização de cookies
Politica de cookies