Igrejas

Antiga Igreja Matriz

AntigaIgrejaMatriz2(Igreja de Santa Maria)
 

 

A antiga Igreja Matriz de Vila de Rei, também conhecida como Igreja de Santa Maria, terá provavelmente sido construída durante os tempos da Rainha Santa Isabel, nos séculos XIII e XIV, sendo mais alta e artística do que actualmente.
 
No Outono de 1807 foi profanada pelos soldados de Napoleão durante as Invasões Francesas. Para além de diversos vandalismos, foi também transformada em cavalariça e, por fim, incendiada. A sua restauração teve de ser feita de forma rápida, pois Vila de Rei não possuía outra igreja com capacidade para assegurar todas as necessidades de freguesia. Assim sendo, os altares, que outrora seriam de talha dourada, ficaram mais simples e o tecto assente apenas nas colunas que ainda hoje lá se encontram, ficando muito mais baixa do que anteriormente.
 
No ano de 1899 foram feitas obras na igreja, datando de então a actual porta principal. Vinte anos mais tarde foram reparados os altares. As últimas obras de restauro, que incluíram a mudança do telhado, limpezas interiores e exteriores e pintura, foram realizadas em 1992, dando à igreja o aspecto que hoje lhe conhecemos.
 
Tem ainda cinco altares: o altar-mor dedicado à Padroeira da freguesia, Nossa Senhora da Conceição; os altares de Nossa Senhora do Rosário e das Almas, do lado da Epístola; o altar do Coração de Jesus e o altar de uma Capelinha acrescentada ao corpo da igreja, capela que o seu fundador dedicara a Santo Aleixo, que depois passou a ser Capela do Santíssimo Sacramento, estando nos dias de hoje dedicada a Nossa Senhora de Fátima. Para além das imagens referidas, a antiga Igreja Matriz possui ainda as imagens do Senhor dos Passos e do Senhor Morto, e as pequenas imagens de S. José e Santa Inês, na capela-mor ao alto da Padroeira, e de B. Nuno e Santa Teresinha, ao lado do Grande Crucifixo do Altar das Almas.
 
Todos os achados arqueológicos descobertos na zona da antiga Igreja Matriz e o valor que a infra-estrutura encerra em si tornam-na como monumento de grande importância histórica e patrimonial para o concelho de Vila de Rei.
 

Igreja da Misericórdia/Capela de São Sebastião

 
Igreja da Misericórdia 1A Igreja da Misericórdia localiza-se no Largo de mesmo nome, no núcleo urbano mais antigo da sede do concelho de Vila de Rei. É à volta deste local de culto que se julga ter desenvolvido o primeiro aglomerado populacional e paróquia da então Portela de São Sebastião.
A então Capela de São Sebastião sofreu ao longo dos tempos algumas reparações e pelo menos uma ampliação. Durante as invasões francesas, época em que foi vandalizada a Igreja Matriz, esteve esta capela a servir novamente a paróquia, passando a designar – se de CAPELA DA MISERICÓRDIA, por ser pertença daquela Irmandade cuja fundação data já do ano 1581. No altar-mor colocou-se um painel representando a Visitação de Nossa Senhora e a imagem de S. Sebastião passou a ocupar o altar lateral do lado do Evangelho. O pintor das telas e do tecto foi António José Neves Sousa e Mota que nasceu em Coimbra, casou e viveu em Vila de Rei.
Em muito bom estado de conservação, é utilizada nas cerimónias da Semana Santa. Não é conhecida a data da sua construção, talvez devido ao facto de terem ardido os arquivos da Irmandade da Misericórdia na casa do Provedor cerca do ano de 1916.
Composta por nave, capela-mor mais estreita e torre sineira. Volumes articulados de disposição na horizontal com cobertura em telhado de 2 águas em telha lusa, exceptuando a torre sineira de disposição na vertical com cobertura em cúpula. Fachadas rebocadas e pintadas a branco com cunhais e embasamento pintado a azul. Registo de azulejos, datados de 1940. Cunhais coroados por pináculos e cobertura em cúpula.
O interior é composto por nave única, coro-alto em madeira e com acesso por escada do mesmo material. Piso em lajeado de ardósia, tendo, ao centro na nave, lápide tumular. Tecto de caixotões, tendo representado, no central, a Virgem da Misericórdia e nos demais, cartelas com acantos e enrolamentos, envolvendo atributos marianos. Nave iluminada directamente por óculo e janela na parede. Arco triunfal com lintel em arco perfeito com impostas salientes, pedra de fecho decorada com o escudo de Portugal e pinturas em todo o perfil do arco. Arco triunfal ladeado por 2 altares em madeira. Capela-mor com piso em lajeado de granito, friso em azulejos, tecto em caixotões, representando uma alegoria à Igreja e o tetramorfo (os quatro Evangelistas). Retábulo em talha dourada. A partir da capela-mor, tem-se acesso à sacristia e à torre sineira.
Para visitas deve-se contactar a Secretaria da Santa Casa da Misericórdia de Vila de Rei.
 

Igreja Paroquial – Fundada

 
Igreja Paroquial Fundada 1Começou por ser a Capela de Santa Margarida – uma das capelas da freguesia de Vila de Rei até princípios do século XVII. Criada a freguesia da Fundada em 1618, passou a capela a igreja paroquial, ficando a sua Titular também Padroeira da nova freguesia. Bem depressa deve ter sido ampliada e, por tempos, demolida, para ser reconstruída com as dimensões convenientes à nova situação. Ficou então com os três altares que tinha em 1758. A igreja actual foi construída no terceiro quartel do século passado (1867) sob a direcção de um senhor Ladeiras, de Cernache do Bonjardim, tendo executado a obra da talha o entalhador Manuel Teixeira, da freguesia da Cumieira, concelho de Penela.
 
Desde então tem cinco altares. Por iniciativa dos últimos párocos e generoso auxilio dos fiéis, têm-se ali feito, ultimamente, notáveis trabalhos de reparação e aperfeiçoamento. Tem ainda cinco altares dedicados, respectivamente, a Santa Margarida (Titular), ao Sagrado Coração de Jesus, ao Senhor das Misericórdias, a Nossa Senhora dos Remédios e a Nossa Senhora de Fátima (Félix, 1968:324-325).
 

Igreja Paroquial – S. João do Peso

 
 
Igreja Paroquial SJP 5Também esta igreja começou por ser uma capela – Capela de S. João Baptista – da Freguesia de Vila de Rei. Segundo a tradição oral, a primeira capela foi construída no alto de um pequeno monte situado na margem do Bostelim, entre as povoações de Várzeas e Algar. O lugar ficou por muito tempo a chamar-se «Monte de S. João»; mas à Capela, que desapareceu, sucedeu outra, decerto, melhor, junto da povoação mais central – o Peso – que, por isso, viria, mais tarde, a chamar-se S. João do Peso.
 
Criada a freguesia do Peso na primeira metade do século XVII, converteu-se esta capela em igreja paroquial, passando o seu Titular a ser também Padroeiro da nova freguesia. A primeira capela deve ter sido muitas vezes reparada e, decerto, ampliada. A igreja actual remonta aos fins do século passado, tendo começado a construir-se em 1892 sob o impulso e orientação de P.e José Adriano de Oliveira Brás. Como a freguesia é pequenina e, nesses tempos, era mais pobre que na actualidade, os trabalhos prolongaram-se por muito tempo, e, apesar da boa vontade e sacrifícios de toda a gente, a obra não pode ficar tão perfeita como convinha. 
(…) 
Tem a Igreja cinco altares: de S. João Baptista (altar-mor), do Sagrado Coração de Jesus, do Imaculado Coração de Maria, de Santa Teresinha e das Almas. Além das Imagens dos Titulares dos altares, há ainda Imagens do Espírito Santo, Nossa Senhora do Rosário, de Lourdes e da Conceição, S. José, S. Pedro, S. Sebastião, Santo António, S. João de Deus e um quadro da Ceia (Félix, 1968:327-328).  
  

Nova Igreja Matriz

 
Igreja Matriz 1A planta do Nova Igreja Matriz foi traçada por António Lino, de Lisboa, o famoso arquitecto do Santuário de Nossa Senhora de Fátima e do Monumento de Cristo Rei. Aguardada há anos, a sua construção data de 19 de Maio de 1968, aquando da sua inauguração. Depois de cerca de sete anos de obras nasceu finalmente a Nova Igreja Matriz, à muito esperada e aclamada pelo povo vilarregense, devido ao estado de degradação e pobreza do templo a que este veio suceder.
 
No corpo da Igreja temos, de um lado, a Via-Sacra e, do outro, as Imagens que vieram da velha Igreja Matriz: N.ª Sr.ª da Conceição, Titular da Igreja e Padroeira da freguesia, Nossa Senhora do Rosário e Sagrado Coração de Jesus. Nas grandes janelas do corpo da Igreja, colocaram-se lindos vitrais que representam: Nossa Senhora da Conceição, Titular da nova igreja (como fora da antiga Matriz) e Padroeira da freguesia; esta naturalmente na grande janela da fachada. Nas janelas laterais: Nossa Senhora de Fátima – alusão ao Cinquentenário das Aparições da Cova da Iria; S. Pedro e S. Paulo – recordando o «Ano da Fé» comemorativo do XIX Centenário do martírio dos dois grandes Apóstolos; o Patriarca S. José, Esposo virginal da Mãe de Deus, Pai virginal de N. S. Jesus Cristo e Padroeiro da Santa Igreja; Rainha Santa Isabel, Fundadora (com seu marido) e muito venerada Protectora do Concelho de Vila de Rei; Santo António, grande santo português e de muita devoção do nosso povo; S. Sebastião, glorioso Mártir, a quem foi dedicado o primeiro templo de Vila de Rei (Félix, 1968:297).
 

Esta página requer cookies para o seu bom funcionamento. Para mais informações consulte a politica de privacidade. Politica de privacidade .

Aceitar utilização de cookies
Politica de cookies